quinta-feira, 23 de julho de 2009

considerações sobre um futuro acadêmico

Estou chegando ao segundo semestre do terceiro ano do curso de filosofia. É a hora de começar a pensar em qual será o tema da minha pesquisa, algum assunto que ainda não tenha sido esgotado, e que desperte algum interesse em mim. E, é claro, que contribua de alguma forma para o progresso do conhecimento acadêmico. Heheh.

Se faço filosofia, o natural seria pesquisar algo relacionado à área. Mas, sinceramente, acho que não tenho muito talento, nem disciplina, pra filosofia. Ainda acho que posso me tornar um bom historiador das idéias, mas não sou filósofo. Pensei em me debruçar sobre os livros de cinema do Giles Deleuze, mas teve um veterano meu que fez um trabalho tão incrível sobre esses livros, que acho difícil ir além do que já foi dito. Pensei então em pegar algum diretor não muito estudado, e analisá-lo, ou através da estética, ou da história da arte. Após considerar, pensei no Ivan Cardoso, que ainda tá vivo e tem uma obra meio que já concluída. Daí tem também o Júlio Bressane, que lança um filme por ano e que é bem complexo e cheio de referências, o tipo de trabalho intelectualizado ideal pros interesses acadêmicos. E por fim, pensei no Manuel de Oliveira, diretor português que já tem 101 anos de idade, e faz filmes desde 1942. Respeitadíssimo diretor, e que possui uma obra recente que creio não ter sido estudada. Além do que, é cinema europeu que não impõe a barreira da língua.

Me lembrei agora de uma garota que conheci no curso de francês, que estuda o som nos filmes da Lucrécia Martel. Achei isso interessante. Então o que tenho a fazer é detectar um elemento recorrente que forneça coesão à obra do cineasta, e a partir dele analisar toda sua filmografia.

Vamos ver se dá certo.

3 comentários:

Luiza disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luiza disse...

Deve ser extremamente difícil escolher um tema pra uma coisa tão importante, que é a finalização de um curso.

Medo dessa hora chegar, rs

Mazu disse...

Não é minimamente difícil. Pode parecer dificil, mas não é.
Vc toma como obstáculo as pessoas q nos precederam, mas na verdade elas nos fizeram um favor. Criaram um protocolo e um método que podemos seguir. Basta escolher um tema que te dê tesão, largar a preguiça, e seguir um modelo ou receita acedêmica q está aí, super disponível. Eu adoro quando há instruções para seguir. e aposto q seu veteranos não esgotou o deleuze. Quem na terra poderia esgotar um autor como o Deleuze ou um tema como o cinema.
Vc e a Luiza estão sendo bobos.
Mas tudo bem, vcs têm vinte e nada.
Não há o q temer nem dificuldade alguma. O problema da nossa geraçao é o excesso de opções e a facilidade.
Bitoca, e amo vc.