domingo, 16 de janeiro de 2011

sobre o mog e pagação de pau explícita

Então ontem teve Janis no velho e fedorento Woodstock.

Daí a banda terminou mór cedo, e eu falei pro Reinaldo "ô, vamo fechar essa porra e colar lá no mog, hoje é a abertura, e não precisamos pagar entrada"

Então, Rei, Lê, Jaque, Pelota e eu rumamos em direção ao antigo Hammer, que foi comprado por um dono de estúdio de música aqui de Barão pra virar um bar chamado Mog.

Chegando lá, muita gente conhecida na área de fumantes. Jogando conversa fora, e trálálá, o Reinado vem e diz que não dá mais pra entrar, já tá encerrando. Fui falar com o Júnior, e ele liberou a entrada pra gente.

Mano, que lugar fudido de bom! Não fica devendo pra balada nenhuma de sampa, é tipo mór esquema foda. Descobri que o oito mãos havia tocado, junto com o venus volts, e fiquei triste por ter perdido os shows. E daí trombei o Leandro, o Kenji, a Luiza, Amandinha, o Albino, o Bota, o Christian, a Sumaia, o Vitor, todo mundo tava lá.

[cara, agora me dei conta que estou escrevendo como um garotinho de 17 anos. vou parar por aqui e me arrumar pra trabalhar que eu ganho mais]

PS.: Vida longa ao Mog!
Parabéns pro Christian, pro Leandro e pro Júnior!

2 comentários:

Tangerina disse...

é exatamente isso: "é tipo mór esquema foda!"

Luiza J. disse...

O MOG tá uma lindeza. E é bom saber que vai ter uma agenda eclética (no melhor sentido do termo)! Decoração, organização e som lindos.

E pô, Bill, te trombei aquela hora e tive que sair correndo pra acudir minha amiga! Malz. hahah

Beijos!