segunda-feira, 1 de junho de 2009

a vida e nada mais

Estou feliz.

Quando eu era criança, imaginava meu futuro de uma forma bem estranha. Eu não queria ser igual ao meu pai, que ficava constantemente desempregado. Eu queria ser um gênio, um inventor, portanto rico! Quando eu via todas aquelas notícias de guerras, eu não entendia o porquê de tudo aquilo, e pensava: "quando eu crescer eu vou fazer com que todos os inimigos façam as pazes, e então eu vou ser o rei do mundo". É bizarro, mas eu tinha vários desses delírios megalomaníacos. Com o passar do tempo, a situação foi se invertendo. No início da adolescência, eu tinha plena certeza de que estava destinado por Deus a casar com uma mulher feia. O raciocínio era de que já haviam homens demais no mundo para as bonitas, mas nenhum para as feias. Eu deveria cumprir o meu papel, e fazer uma mulher feia a mais feliz do mundo. Ah, isso me lembra de uma história, nem sei se já contei aqui. Quando eu tinha uns 13 anos, uma garota ficou afim de mim. Era a primeira menina que manifestou esse interesse, que fiquei sabendo através de suas amigas. Ela era uma garota encardida, que se vestia mal, tinha mais pêlos na perna que eu, era chata, morava na favela e se chamava Maria José. Resignado, me preparei para sentir o ralo bigodinho da garota, não fosse pelo meu amigo Clayton, que, ao descobrir os pérfidos intentos da menina, a mandou de volta aos obscuros porões do inferno.

A gente vai crescendo e pegando as manhas da vida, escolhendo um caminho ou se conformando com aqueles que são inescapáveis, enfim, vai vivendo. Só pra retomar um pouquinho do post anterior, eu sempre tive aquele sentimento de esperar pela vida, aquela sensação de que ainda não era pra valer, que a Vida ainda estava por acontecer. E faz um tempinho eu sinto que isso acabou. Um sentimento de plenitude, aonde tudo o que eu faço é conscientemente absoluto e completo de significado.

Maíra é a namorada perfeita, Unicamp a universidade perfeita e Barão Geraldo o lugar perfeito. Evidentemente eu sei que nada é perfeito, mas não conseguiria escolher um conjunto de imperfeições melhores que essas.

É.
Estou feliz.

3 comentários:

-Rol disse...

E a amiga perfeita? Fica onde?

bill disse...

Oh, meu deus, que dó!
hauahuahhh
A amiga perfeita mora no coração, e aparece de vez em quando pra comprar um marlboro e uma heineken.

:D

Charles Mathias disse...

Poxa bill tu escreve bem pra caramba bicho, gostei mesmo, vou acompanhar seu blog, abraço!