sexta-feira, 13 de junho de 2008

relembrando crimes e pecados, de woody allen


"O fato único que ocorreu com os primeiros israelitas é que eles conceberam um Deus que ama. Ele ama, mas ao mesmo tempo exige um comportamento moral. E aí está o paradoxo. Qual é a primeira coisa que esse Deus pede? Esse Deus pede a Abraão que sacrifique seu único filho, seu bem-amado filho. Ou seja, apesar de milênios de tentativas, ainda não logramos criar a imagem de um Deus amoroso e benévolo. Isto está além da nossa capacidade de imaginação. "


-lsolado da festa? É como eu.
-Sempre fico triste nestas ocasiões.
-Parece imerso em pensamentos.
-Planejava o assassinato perfeito.
-Roteiro para um filme?
-Filme?
-É. Foi o que o Ben me disse, que você faz filmes.
-É, mas não desse tipo. De outro tipo.
-Tenho uma ótima história de assassinato.
-É?
-Um grande roteiro. Acho que bebi demais. Desculpe, vou deixá-lo sozinho.
-Não, tudo bem. Não estou fazendo nada.
-Mas minha história de assassinato tem um estranho desenlace. lmagine este homem muito bem-sucedido. Ele tem tudo. E após cometer esse ato horrível, ele começa a ser perseguido por uma culpa profunda. Ecos de sua educação religiosa, que ele sempre rejeitou,começam a surgir. Ele ouve a voz do pai, imagina que Deus vigia todos os seus passos. De repente, o Universo não é mais vazio... Ele é justo e tem uma moral. E ele a violou. Agora, ele está apavorado, está no limiar de um colapso nervoso, perto de confessar tudo para a polícia. Então, um dia, ele acorda. O sol está brilhando e sua família está ao seu redor. Misteriosamente, a crise desapareceu. Ele leva a família para a Europa, e descobre, com o tempo, que não foi castigado. Ao contrário, prospera. O crime é atribuído a outro, um vagabundo que já matou outras pessoas. Uma a mais não importa. Agora, ele está livre. Sua vida volta completamente ao normal, ao seu mundo seguro de riquezas e privilégios.
-É, mas ele pode mesmo voltar ao que era?
-Bem, as pessoas carregam seus pecados consigo. Às vezes, o que fez o atormenta, mas passa. E com o tempo, tudo acaba.
-Mas, então, suas piores crenças se realizam.
-Bem, avisei que era uma história mórbida.
-Não sei. Acho que seria difícil alguém viver com isso. Poucas pessoas poderiam viver com isso na consciência.
-Muitos carregam erros terríveis consigo. O que queria que ele fizesse? Que se entregasse? lsso é a realidade. Na realidade, racionalizamos. Nós negamos. Senão, como continuar vivendo?
-lsto é o que eu faria. Faria com que se entregasse. Assim, a sua história tomaria proporções trágicas, porque, na ausência de Deus, ele tem de assumir a responsabilidade. Aí, você tem a tragédia.
-Mas isso é ficção. É cinema. Vê filmes demais. Estou falando da realidade. Se quer um final feliz, vá ver um filme de Hollywood...

3 comentários:

-Rol disse...

Nossa, tive um piti feminino no meu blog. Se der, dá uma lida.

To com saudade!

=***

Bia disse...

Will, nem acredito que achei seu blog. Tô muito feliz com isso já que você cometeu suicídio orkutiano! Eu não vi esse filme ainda, mas pelo que escreveu parece ser ótimo, principalmente por não ser um final hollywodiano. Tenho muito o que conversar com você, ando lembrando de você essas semanas...provavelmente por ser férias e estar vendo muitos filmes (e também por não te ver mais nas aulas do Giacóia)!
Finalmente vi "Perfume", o final é sensacional (falo com a mesma expressão sua ao descrever um bom filme!!!) e vi um documentário que se fosse homem com certeza ficaria com medo de mulher depois de assistí-lo, "Monólogo da Vagina"...que mulher medonha é aquela??!
Ahhh e vi Juno, que filme fofo, dá vontade de dar um abraço naquela menina enão largar mais!!!!

saudades de ti ^^

Bia disse...

esse troço de ñ ter aula do Giacóia pareceu meio idiota escrito, já que fica óbvio ñ tê-la sendo férias...mas, é bom que dá uma pista de que Bia é, já que você deve conhecer muitas - afinal voce é uma pessoa pop!